sábado, 23 de agosto de 2014

Saída de Campo em Acari, com bolsistas do PIBID/UFRN

Mulungu com a represa de Gargalheiras ao fundo. Foto: Gabriela Giovanka

Na manhã em que acordamos em Gargalheiras, em Acari, RN, fomos abençoados com uma floração de Mulungu bem à frente da Pousada. Assim, iniciamos com muita sorte nossa primeira saída de campo à Caatinga com um grupo de bolsistas do PIBID/UFRN, coordenados por Midori Hijioka Camelo, Josivânia Marisa Dantas e Marlécio Maknamara.

Bolsistas e coordenadores do PIBID/UFRN numa parada à caminho de Gargalheiras. Foto: Renato Rizzaro

Corrupião ou Concriz (Icterus jamacaii) alimentrando-se nas flores do Mulungu. Foto: Renato Rizzaro

Para saber mais sobre o Corrupião, clique aqui.

O Mulungu (Erythrina mulungu) e (Erythrina verna) é uma das belas árvores que ocorre nas baixadas e vales da caatinga.
Suas flores têm a predominância da cor laranja e vermelha e são muita visitadas por insetos e pássaros, principalmente pelo corrupião que é uma das mais belas aves da caatinga.
O mulungu é bastante utilizado na medicina caseira para estabilizar o sistema nervoso central, como antioxidante, como tonificante e para auxiliar na redução da tensão arterial.
Por ser uma árvore de madeira leve é muito utilizado também para produção de cochos ou gamelas pelos agricultores do sertão. (Fonte: Nilton de Brito Cavalcanti)

Você consegue ver os dois Chupa-mel (Coereba flaveola) nesta foto?
Acordar às 4h30 da madruga para observar aves na Caatinga. Foto: Renato Rizzaro

Na noite anterior aprendemos como utilizar os binóculos, agora em prática. Foto: Renato Rizzaro

Em Gargalheiras, ao nascer do sol. Foto: Renato Rizzaro

Anotações durante o percurso em caderneta de campo. Foto: Renato Rizzaro

Parte do grupo à caminho da Caatinga. Foto: Renato Rizzaro

Algumas aves avistadas durante a saída de campo estão fotografadas abaixo, porém muitas outras não foram registradas em fotos. Solicitamos ao Ivan (nosso guia) que nos enviasse uma lista, que reproduzimos a seguir. Note que é um bom exercício encontrar as espécies através do nome popular descrito por Ivan.

"Vimos as seguintes aves: concríz, pêga ou viana, fura-barreira, caboré, anu-branco, papa-cebo, chupa-mel, galo-de-campina, beija flor (verdinho), beija-flor-tesourão, bentevi, pardal, ceguinho ou mané-lesado, xexéu-de-bananeira, martim-pescador, biguá, marreco (no rio), sanhaçu-cinzento, golinha, vem-vem, rolinhas: branca, cai-fruta e caldo-de-feijão, casaca-de-couro, gavião-ripina, socó-pequeno, socó-boi e socó-tigrado, lavandeira, sabiá-de-laranjeira, pica-pau (pequeno e amarronzado), arribaçã (que é africana mais migra e se reproduz aqui), carcará, periquito. Esses são os que eu lembro. Ivan Simplicio Neto, Gargalheiras, agosto de 2014." 















Um comentário:

Javier G. disse...

El pròximo mes espero ir a Brasil de nuevo para disfrutar de tan maravillosa variedad ornitológica.

http://lanaturalezaquenosqueda.blogspot.com.es/2014/09/no-es-facil-ser-buho-real-parte-2.html

Saludos.