segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Presente de Natal



Pois então, Natal chegando por aí, é hora de presentear todo mundo.
Aceita uma sugestão?
Dê Poster de Aves Brasileiras, um presente inesquecível!

Um poster à sua escolha por apenas R$ 35,00 + R$ 11,00 de Correio
Dois posters à sua escolha por apenas R$ 66,00 (R$ 33,00/cada) + R$ 12,00 Correio
Três posters R$ 93,00 (R$ 31,00/cada) + 13,00 Correio
Quatro posters R$ 116,00 (29,00/cada) + 13,00 Correio
Cinco posters R$ 135,00 (27,00/cada) + 14,00 Correio
A Coleção com 6 posters R$ 150,00 (25,00/cada) + 15,00 Correio

Envie email para rodadepassarinho@gmail.com e adquira seu Poster diretamente com a gente.

Abração de Renato e Gabriela


sexta-feira, 5 de maio de 2017

Poster das Aves da Floresta Atlântica Volume 2




2017 é o sétimo ano consecutivo em que os posters das aves brasileiras são lançados. O primeiro da coleção, iniciado em 2005, foi concebido na Reserva Rio das Furnas, em Santa Catarina, e ficou pronto 5 anos após, em 2010.

A partir daquele ano, Renato Rizzaro e Gabriela Giovanka transformaram a antiga Toyota Bandeirante em casa-móvel e sairam em expedição pelos biomas brasileiros e, de cada bioma nasceu um poster: Floresta Atlântica, Pantanal, Amazônia, Pampa, Cerrado e Caatinga.

Agora, o casal apresenta o segundo volume das Aves da Floresta Atlântica, após muitas solicitações por pássaros que não estavam no primeiro. Juntos, os dois posters têm 174 aves, do total de 981 espécies registradas para este bioma.

O segundo volume destaca algumas aves emblemáticas e ameaçadas de extinção, como a Jacutinga, o Gavião-pega-macaco, o Papagaio-charão, o Pavó, o Curió, o Tiê-sangue e as coloridas saíras.

Vítor Piacentini, é o orientador desde o primeiro poster até os roteiros pelos biomas brasileiros e responsável pela revisão científica.

Ciro Albano, Gustavo Magnano, João Quental, Luiz Ribenboim, Sérgio Berkenbrock, Silvia Linhares e Viviane De Luccia cederam fotos de seu acervo para ilustrar e completar a obra.

Gabriela Giovanka também participa com duas belas fotografias, além de fazer a revisão bibliográfica da Coleção.

Adquira o seu Poster


O segundo volume do poster das Aves da Floresta Atlântica, assim como qualquer outro da Coleção, pode ser adquirido por R$ 35,00 + Correio.

Adquira o seu poster através do email: rodadepassarinho@gmail.com


Detalhe dos beija-flores



Maria-leque-do-sudeste na foto de Luiz Ribenboim e outras fotos de Renato Rizzaro


O poster ficou bem colorido com estas espécies


domingo, 28 de fevereiro de 2016

Poster das Aves da Caatinga (ESGOTADO!)


Adquira agora o
Poster das Aves da Caatinga
e complete a sua coleção!

ESTE POSTER ESTÁ ESGOTADO!!!




Todos os posters têm o mesmo formato: 50 x 70cm, impressos em couchê com laminação fosca



Todos detalhes foram revisados criteriosamente, desde a taxonomia aos recortes


O ornitólogo Vítor Piacentini, desde o primeiro poster da coleção, contribuiu com a revisão científica



As fotos dos convidados especiais estão identificadas com as iniciais de seus autores


Convidados especiais para o Poster das Aves da Caatinga


Belíssimo Beija-flor-vermelho, foto gentilmente cedida por Ciro Albano

Tido-tico-do-são-francesco, na foto de Ciro Albano



Pintassilgo-do-nordeste, também foto de Ciro Albano




Maria-preta-do-nordeste, de Ciro Albano

Soldadinho-do-araripe também pelas lentes de Ciro Albano




Ester Ramirez participa do poster com a foto do Urubu-rei



A Tiriba-de-peito-cinza na foto de Fábio Nunes, da Aquasis



O Tuim na foto de Gabriela Giovanka



Esta foto do Tiê-caburé é de autoria de Jefferson Bob


Gavião-pernilongo também de Jefferson Bob

Choca-do-nordeste, outra foto de Jefferson Bob


Vira-folha-cearense na lente de Jefferson Bob


Golinho, também na foto de Jefferson Bob



quinta-feira, 23 de abril de 2015

Saiu na National Geographic Brasil

Casal viaja o Brasil passarinhando e educando

por Zé Edu Camargo em 23 de abril de 2015

Há histórias tão ricas e vívidas que parecem ficção, enredo de filme, poesia – tudo junto e misturado. A trajetória do casal Renato Rizzaro e Gabriela Giovanka é assim. Com garra e ralação, transformaram uma área em RPPN, na Mata Atlântica de Santa Catarina: a Reserva Rio das Furnas. Até que, em 2010, o sonho escorreu pelas encostas do morro – a área da reserva foi atingida por um deslizamento causado pelas chuvas. Desalojados por um tempo, eles resolveram colocar o pé na estrada. E daí nasceu o primeiro projeto de educação ambiental – de lá para cá já foram 34 mil quilômetros (quase uma volta ao mundo) pelas estradas do Brasil. Nas paradas, eles organizam a Roda de Passarinho, que ensina observação de aves às crianças de um modo muito divertido. E as viagens também já renderam cinco pôsteres sobre a avifauna dos nossos biomas – Mata Atlântica, PampaAmazôniaPantanal e Cerrado. Para produzir este último eles visitaram lugares tão incríveis como a Chapada dos Veadeiros e a Serra da Canastra. Os deliciosos relatos de viagem renderam um blog, onde você também pode comprar os pôsteres – o dinheiro ajuda na divulgação da observação de aves, na conservação da Mata Atlântica (a reserva já está se regenerando após o acidente) e nos projetos futuros de viagem dos dois. A próxima aventura, aliás, começa ainda em 2015 – desta vez eles vão visitar a Caatinga, fechando assim a série dos biomas.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Já está à disposição o poster das Aves do Cerrado

Adquira este e os outros posters da Coleção

Quando você adquire os posters da Reserva Rio das Furnas, contribui com a preservação e divulgação da avifauna, além de colaborar com as futuras expedições pelos biomas brasileiros.

O valor do Poster Aves do Cerrado é R$ 35,00 + Correio

Enviamos para fora do Brasil e aceitamos Paypal.


Para solicitar seus posters entre em contato com: rodadepassarinho@gmail.com



Todos os posters têm exatamente a mesma medida: 50 x 70cm, papel couchê com laminação fosca





Foram mais de 6 meses até a conclusão de mais esta obra



Classificação taxonômica segue a mais recente publicação do CBRO 



Detalhes foram minuciosamente revisados e as fotos recortadas e retocadas com esmero


Agradecimentos aos convidados especiais que cederam suas fotos 

para incrementar o Poster das Aves do Cerrado:






Petrim © Aline Patricia






Pato-mergulhão © Edson Endrigo







Lenheiro-da-serra-do-cipó e Pedreiro-do-espinhaço © Guilherme Freitas






Beija-flor-de-orelha-violeta (macho) © Jarbas Mattos






Mineirinho © João Quental





Cardeal-do-araguaia © Margi Moss







Fura-barreira e Fim-fim (macho) © Ricardo Mendes

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Expedição ao Cerrado

Meia-lua-do-cerrado, uma das estrelas da Expedição © Renato Rizzaro



A Expedição ao Cerrado foi planejada desde 2013. Diferente das expedições Pantanal, Amazônia e Pampa, desta vez saímos com uma lista das “aves dos desejos” pinçadas em livros, na internet, com sugestões de amigos e a benção de nosso orientador Vítor Piacentini. Entre as milhares de chapas, conseguimos mais de cem aves e várias surpresas.

A primeira parada seria no Parque Intervales, em Apiaí/SP, onde aconteceria a primeira Roda de Passarinho, alinhavada pelo Bruno Arantes, cidade onde seu irmão e esposa são professores. Nossa saída coincidiu com o recesso escolar, carinhosamente apelidado de Semana do Saco Cheio, então, pulamos esta etapa e fomos para São Sebastião do Paraíso em Minas, atraídos pelos registros do wikiaves.

Depois da Serra da Canastra (primeira Roda de Passarinho), tivemos vários dias de mordomia entre Estrela de Indaiá (segunda Roda de Passarinho) e Conselheiro Lafaiete, com o atencioso guia Ricardo Mendes e seus familiares, que nos acolheram em suas casas como filhos e aí deu aquela vontade de quero mais… Até a Toyota ganhou garagem coberta e tudo, imagine só! Minas definitivamente é um ímã de hospitalidade e fomos parar em Ouro Preto, no Parque Itacolomi (terceira Roda de Passarinho).

Cogitamos incluir no roteiro a Serra do Caraça, ver o lobo-guará no Monastério e subir até o Parque das Sempre-vivas e Grande Sertão Veredas. Porém, quem chegou antes foi o próprio Guimarães Rosa em Cordisburgo, num desvio que nos levou a desembocar em Brasília e subir até a Chapada dos Veadeiros (quarta Roda de Passarinho).

Quando menos se espera, o horizonte enruga e brotam picos misteriosos, formações antigas, cordilheira brasileira repartindo Goiás e Bahia. Em Terra Ronca conhecemos o Homem das Cavernas e já sentimos o perfume da Caatinga e dos xique-xiques, mas aí já é outra história, para a próxima expedição.

De Pirenópolis fomos direto a Aruanã, na Resex Lago do Cedro a convite do ICMBio onde conhecemos a Aldeia Karajá onde rolou a quinta Roda de Passarinho. 

Neste grande abraço ao Cerrado, finalizamos a Expedição no Parque Nacional das Emas (sexta Roda de Passarinho) com sucuris, bioluminescência, entrevistas, novas amizades e um grande acervo de fotos para o próximo poster e para as próximas Rodas de Passarinho. Foram 7.700 quilômetros em 50 dias, 12 de outubro a 30 de novembro de 2014.


Conheça os meandros desta penúltima Expedição aos Biomas Brasileiros, com fotos, vídeos e surpresas, clicando aqui, uai!

sábado, 23 de agosto de 2014

Saída de Campo em Acari, com bolsistas do PIBID/UFRN

Mulungu com a represa de Gargalheiras ao fundo. Foto: Gabriela Giovanka

Na manhã em que acordamos em Gargalheiras, em Acari, RN, fomos abençoados com uma floração de Mulungu bem à frente da Pousada. Assim, iniciamos com muita sorte nossa primeira saída de campo à Caatinga com um grupo de bolsistas do PIBID/UFRN, coordenados por Midori Hijioka Camelo, Josivânia Marisa Dantas e Marlécio Maknamara.

Bolsistas e coordenadores do PIBID/UFRN numa parada à caminho de Gargalheiras. Foto: Renato Rizzaro

Corrupião ou Concriz (Icterus jamacaii) alimentrando-se nas flores do Mulungu. Foto: Renato Rizzaro

Para saber mais sobre o Corrupião, clique aqui.

O Mulungu (Erythrina mulungu) e (Erythrina verna) é uma das belas árvores que ocorre nas baixadas e vales da caatinga.
Suas flores têm a predominância da cor laranja e vermelha e são muita visitadas por insetos e pássaros, principalmente pelo corrupião que é uma das mais belas aves da caatinga.
O mulungu é bastante utilizado na medicina caseira para estabilizar o sistema nervoso central, como antioxidante, como tonificante e para auxiliar na redução da tensão arterial.
Por ser uma árvore de madeira leve é muito utilizado também para produção de cochos ou gamelas pelos agricultores do sertão. (Fonte: Nilton de Brito Cavalcanti)

Você consegue ver os dois Chupa-mel (Coereba flaveola) nesta foto?
Acordar às 4h30 da madruga para observar aves na Caatinga. Foto: Renato Rizzaro

Na noite anterior aprendemos como utilizar os binóculos, agora em prática. Foto: Renato Rizzaro

Em Gargalheiras, ao nascer do sol. Foto: Renato Rizzaro

Anotações durante o percurso em caderneta de campo. Foto: Renato Rizzaro

Parte do grupo à caminho da Caatinga. Foto: Renato Rizzaro

Algumas aves avistadas durante a saída de campo estão fotografadas abaixo, porém muitas outras não foram registradas em fotos. Solicitamos ao Ivan (nosso guia) que nos enviasse uma lista, que reproduzimos a seguir. Note que é um bom exercício encontrar as espécies através do nome popular descrito por Ivan.

"Vimos as seguintes aves: concríz, pêga ou viana, fura-barreira, caboré, anu-branco, papa-cebo, chupa-mel, galo-de-campina, beija flor (verdinho), beija-flor-tesourão, bentevi, pardal, ceguinho ou mané-lesado, xexéu-de-bananeira, martim-pescador, biguá, marreco (no rio), sanhaçu-cinzento, golinha, vem-vem, rolinhas: branca, cai-fruta e caldo-de-feijão, casaca-de-couro, gavião-ripina, socó-pequeno, socó-boi e socó-tigrado, lavandeira, sabiá-de-laranjeira, pica-pau (pequeno e amarronzado), arribaçã (que é africana mais migra e se reproduz aqui), carcará, periquito. Esses são os que eu lembro. Ivan Simplicio Neto, Gargalheiras, agosto de 2014."